Vitória com sotaque castelhano: Avaí bate Figueirense e deixa rival para trás

No Clássico de Florianópolis, a vitória teria de vir de qualquer maneira, para ambos. Avaí e Figueirense viviam situações parecidas na tabela e nos baixos números.

Com o poder de decisão que apenas uma rivalidade pode emitir, Leão da Ilha e Furacão do Estreito foram a campo na Ressacada sabendo da importância de conseguir bom resultado.

E, neste primeiro clássico sem torcida em 96 anos de história, com vitória magra, suada – não havia de ser diferente – o Avaí levou a melhor, agora mudando a mentalidade: pelotão de cima à vista. Para o Figueira, mais uma rodada de preocupações com o Z4.

O Avaí enfrentou bloqueios criativos, em partes devido à boa marcação do Figueirense. Assim, em resposta à postura defensiva do Furacão, o Leão decidiu ceder a bola ao adversário e explorar as jogadas de contra-ataque. Com isso, criou boas chances e por pouco não abriu o placar ainda na primeira etapa.

O Figueira manteve o domínio da bola durante grande parte do jogo, totalizando 65% de posse e somando quase o dobro de passes do Avaí, porém, a timidez ofensiva pouco fez Lucas Frigeri trabalhar.

Athletico não fura bloqueio boliviano, mas se garante nos mata-matas

Assim também, o Avaí também não caprichava na pontaria. Muitos chutes levavam real perigo à meta de Rodolfo, principalmente com o uruguaio Gastón Rodríguez, mas poucos tinham a direção do alvo. Pelo volume de criação, o gol se aproximava e estava apenas pelo detalhe do capricho final.

Este viria já na reta final da partida. Rômulo arriscou de longa distância e acertou a trave alvinegra. No rebote, a bola encontrou Gastón, que só tocou para o gol aberto. Foi apenas o segundo chute certo azurra. Enfim, o suficiente, em um momento mais do que certo.

Logo depois, o Figueirense ficou com um a menos, o zagueiro Alemão acabou expulso. Imediatamente, Geninho trocou então Rodríguez pelo zagueiro Eduardo Kunde, e fechou a casinha até o apito final, sem grandes emoções até lá.

Vitória em castelhano: Gastón marca pela segunda vez na Série B. Gol essencial, que certamente dará mais moral ao gringo entre os ‘manezinhos’.

Murilo Demarch
Desde 2015, redator, revisor e editor em websites, responsável por criação de conteúdo e exploração de bases de conteúdos de sites nacionais e internacionais

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas

Grupo H: Caracas-VEN se complica e tentará milagre para avançar

Os clubes venezuelanos têm raros momentos de brilho na Libertadores – desde 2016 não avançam para os...

Em jogo alucinante de duas viradas, Guaraní bate Bolívar e passa junto com Palmeiras no Grupo B

Já classificado, mas sonhando com a improvável primeira colocação do Grupo B, chave do Palmeiras, o Guaraní...

Goleado pelo Verdão, Tigre-ARG termina como pior da fase de grupos da Libertadores

Campeão da primeira edição da Copa da Superliga Argentina, competição que começou na última temporada, o Tigre...

Série D: América-RN vence a quinta seguida e lidera isolado o Grupo A3

Com participações recentes nas séries A e B do futebol brasileiro, mas na Série D há quatro...

Copa Sul-Americana 2020 tem os maiores campeões da Libertadores de Brasil, Argentina e Uruguai

Segundo principal torneio internacional da América do Sul, a Copa Sul-Americana ainda está em sua fase inicial...

Nacional e Racing querem primeira colocação no Grupo F da Libertadores

Racing-ARG e Nacional-URU não deram a menor chance para os adversários do Grupo F na Libertadores, Estudiantes-VEN...

Última Hora

Leia MaisRelacionado
Recomendamos