Skip to content

Conheça todas as contratações da era Sampaoli no Atlético

julho 31, 2020

O trabalho inicial de Jorge Sampaoli no Brasil mostrou ao público brasileiro algumas das principais características de trabalho do treinador. Além das particularidades dentro das quatro linhas, o argentino define uma série de atributos. Um dos principais é a exigência de contratações para que o elenco tenha a montagem à sua maneira.

Consciente de que a aquisição de Sampaoli previa também disposição para investir em reforços, a diretoria do Atlético vem sendo especialmente generosa com o treinador. Mariano, recém chegado, é o oitavo contratado desde março, quando o substituto de Dudamel desembarcou em Belo Horizonte.

O Galo foi exceção à timidez dos clubes no mercado mediante a parada de quase quatro meses. Desde a chegada do goleiro Rafael, que pulou da Toca da Raposa para a Cidade do Galo, as caras novas não pararam de entrar. Contratações pontuais, úteis, estratégicas, com assinatura do argentino.

Pressionado, Jesualdo precisa de classificação convincente para seguir firme no Santos

Mostrando personalidade, Sampaoli teve de encaminhar saídas de atletas com os quais não há intenção de trabalhar. Di Santo, Ricardo Oliveira, Maicon Bolt, Zé Welison, Ramón Martínez e Lucas Hernández foram dispensados.

E assina embaixo a chegada dos – até então – oito atletas que reforçarão o Galo na reta final do Mineiro e no Brasileiro. Rafael, confiável goleiro que deixou o rival Cruzeiro por complicações trabalhistas e não precisou trocar o código de área; O polivalente Léo Sena se destacou no Goiás e pode ser peça fundamental no jogo do ‘hermano’ (semelhante provavelmente ao que lhe foi Diego Pituca, nos tempos de Santos). O terceiro e último a fazer migração interna foi Marrony, jovem atacante que trocou o Vasco pelo Atlético.

Rafael trocou o Cruzeiro pelo Galo (Fotos: Bruno Cantini/Agência Galo/Atlético)

Os outros cinco reforços vieram do mercado internacional. Alan Franco, volante, foi campeão da Copa Sul-Americana pelo Independiente del Valle, além de vestir a camisa da Seleção Equatoriana. O paraguaio Junior Alonso é zagueiro e lateral (o que agrada a Sampaoli), e tem experiências no futebol francês e espanhol. Estava no Boca Juniors, e…

Apresentação de Junior Alonso em Vespasiano – (Fotos: Bruno Cantini/Agência Galo/Atlético)
Junto a Alonso, Bueno disputa com Rabello e Rever a titularidade na zaga (Foto: divulgação/Atlético)

…poderá ter como dupla de zaga Bueno, que é brasileiro, mas atuou profissionalmente apenas no futebol japonês. Jogará pela primeira vez no Brasil desde a base, no Botafogo-SP.

Os outros dois, mais conhecidos pelo público, são consideradas contratações para “elevar o patamar” do time no panorama nacional. Keno assinou até 2023 com o alvinegro, com expectativas de repetir o futebol que o projetou pelo Palmeiras. E, o acerto mais recente foi com Mariano, conhecido do Galo e de Sampaoli.

Mariano passou pelo Atlético em 2008, por empréstimo. Ainda ‘cru’, foi repassado da Tombense, clube então detentor de seu passe, para o Fluminense, onde deslanchou e rumou à Europa. O bom desempenho no futebol francês despertou o interesse do Sevilla, o qual teria o comando de Sampaoli posteriormente. A parceria entre os dois no clube espanhol foi bem vista pelo treinador, que a reeditará no Galo.

Sampaoli trabalha para introduzir as novas peças aos métodos de jogo que já esboçava desde março, com atletas cuja intenção é desenvolver: caso de Allan, Guilherme Arana, Savarino (reforços de Dudamel), Guga e Nathan. Mas não esconde que ainda pode pedir mais reforços à diretoria atleticana.

Recentemente, o treinador teria mencionado a intenção de contar com um goleiro que ‘jogue com os pés’, atributo considerado essencial para seu plano de jogo. O nome a correr nos arredores do clube foi de Cristopher Toselli, da Universidad Católica, com quem Sampaoli trabalhou na Seleção Chilena.