Inter x Olimpia – lembranças de uma semifinal distante

| | ,

O Internacional vai a campo na noite desta quarta-feira, pela Libertadores, buscando assumir a liderança do Grupo B. A equipe receberá os paraguaios do Olimpia, adversário mais perigoso da chave, contra quem os pontos colorados serão ainda mais importantes.

O grupo tem, neste momento, um empate das quatro equipes com 3 pontos. O Inter lidera por ter o melhor saldo de gols de todos. Ou seja, conquistar mais uma vitória dentro de seus domínios pode significar ao time gaúcho o mantimento da liderança, além de mais um grande passo para o avanço à fase de mata-matas.

  • Jogo: Internacional x Olimpia-PAR (Copa Libertadores 2021)
  • Data e hora: quarta-feira, 05/05/2021 – 21h00 (Brasília)
  • Local: Beira-Rio, Porto Alegre-RS
  • Transmissão: FOX Sports

Siga todas as partidas e resultados da Copa Libertadores:

Copa Libertadores – Pré

O adversário, contudo, não é simples: o tricampeão Olimpia conhece muito bem os atalhos da Libertadores. Mesmo distante de seus momentos de maior glória – o último dos três títulos foi em 2002, sobre o surpreendente São Caetano –, o time paraguaio detém uma sabedoria em competições continentais que é privilégio de poucos.

E a mostrou em um capítulo histórico envolvendo o Internacional. Em 1989, quando o Colorado ainda sonhava em conquistar a América, o Decano tinha um dos melhores times de sua história e corria atrás do bicampeonato.

Não há torcedor colorado – pelo menos entre os que testemunharam aquela Libertadores – que não sinta frio na espinha ao lembrar do Olimpia. A sensação deixada após aquelas semifinais foi de um sonho arrancado.

O Inter passou meio trôpego pela fase de grupos, que contava com o Bahia, seu algoz na Copa União do ano anterior, e o Deportivo Táchira-VEN, que coincidentemente divide com o Inter o grupo na presente edição. Ficou atrás dos dois, por sorte o terceiro colocado também avançava. As coisas esquentaram mesmo na fase de mata-matas: 6 a 2 sobre o Peñarol nas oitavas, e nas quartas a revanche sobre o Bahia. Após nove anos, o Inter voltava a uma semifinal.

A sorte parecia jogar ao lado do Colorado. Após os 1 a 0 no Defensores del Chaco, onde o Olimpia era até então implacável, a equipe gaúcha teria apenas de segurar os paraguaios no Beira-Rio para voltar a decidir a Libertadores – esperando desfecho diferente de 1980, quando o recém campeão brasileiro invicto teve o sonho da América arrancado pelo Nacional-URU.

Mas teria o jogo da volta. E o Olimpia se dispôs a fazer como visitante o que deixara como mandante. Abriu o placar e após sofrer o empate, voltou a ficar na frente. O momento chave da partida foi logo após o novo empate colorado: o time brasileiro teve pênalti a seu favor, sendo a oportunidade de virar a partida e colocar as duas mãos na vaga. Nílson parou no goleiro Almeida, do time paraguaio.

Desgraça pouca é bobagem: minutos depois, um chute despretensioso desvia no defensor colorado e morre nas redes de Taffarel. Com os 3 a 2 paraguaios, a classificação foi decidida nas penalidades. O Inter perdeu uma cobrança com Leomir, novamente nas mãos de Almeida. O Olimpia converteu todas e celebrou o avanço à final.

Seria derrotado, o time paraguaio, pelo Atlético Nacional de Medellín naquela decisão. No ano seguinte, contudo, colocaria as mãos em sua segunda taça. O que é este tal destino… o Internacional, por sua vez, esperaria mais 17 anos até sentir o gostinho da América.

Leia mais:

Hoje, é verdade que o Olimpia pouco lembra aquele de 31 anos atrás. Já o Inter é outro clube, tem outra concepção de Libertadores – em partes, devendo-se à não pressão de conquistar o continente, como há décadas.

Mas os caprichos históricos fazem deste um grande duelo, que deve, por parte colorada, ser levado com muita atenção do início ao fim. Como não foi no infortunado 1989.   

Anterior

Fox Sports tem Racing x São Paulo: Jogo ao Vivo da Libertadores 3ª rodada

Brasileiros tiram “nota dez” em terça-feira de Libertadores

Próximo

Deixe um comentário

P